domingo, 18 de julho de 2010

Coluna Quase Semanal (ainda sem nome definido) - Fantagraphics

Hoje lhes contarei uma história pouco conhecida, que tive mais trabalho em encontrar boas informações que de qualquer outro artigo que ja tenha feito (e farei) pra esta coluna.

Eu apresentei antes a AVATAR e a RADICAl, dizendo que elas eram alternativas. São realmente, para quem lê apenas MARVEL e DC, sendo mais alternativas muitas vezes que a próprio Vertigo. Porém a coluna de hoje falarei sobre a Fantagraphics.


Hoje, fim da tarde, eu conversava com o chefe Jevoux. Discutia com ele o que postar. Contava meus planos de postagens, como sempre sem considerar meu tempo realmente livre. Então ele me manda um LINK (não, ainda não vai estar aqui), e diz “ traduzi, só falta diagramar”. Clico e encontro uma comic que eu tinha planos de traduzir, e comento com ele que eu ja tinha feito outras edições do mesmo autor e editora.

Então ele me pede: “Malt, faz o post sobre a FANTAGRAPICHS.” Pedido de chefe é ordem. A qual eu obedeço com prazer porque eu AMO esta editora.

Não ouviu falar? Nunca leu nada? Ok, nada menos que o esperado. Ela não tem super homens, mutantes com o raios saindo dos olhos, nem super velocistas ou mesmo nem mostra sanguinolentas estórias de que tanto gostamos. Ela é mais uma editora de cartonistas, mas novamente, indo muito alem de Charlie Brown (que ela recentemente relançou) e Calvin.

O texo abaixo eu retirei (e traduzi) do site Oficial da Empresa.

“Fantagraphics Books tem sido uma liderança proeminente de quadrinhos como uma legítima forma de arte e literatura desde que começou a publicar a revista The Comics Journal em 1976. No início dos anos 1980, Fantagraphics se encontrou no fronte de batalha pelo rápido crescimento em estabelecer quadrinhos como uma arte tão prestigiada e eloquente como outras artes como literatura, filmes, poesia, etc. Fantagraphics rapidamente estabeleceu uma reputação como uma editora que buscava e publicava trabalhos inovadores, os quais as editoras tradicionais que lidam com quase exclusivamente super heróis e fantasia ou não conheciam ou não tinham coragem de publicar, sendo: trabalhos sérios, dramaticos, históricos, jornalísticos, políticos, e satíricos. Estes desenvolvidos por uma nova geração de cartonistas alternativos bem como por artistas que eram proeminentes no movimento “underground” das comix dos anos 60. Fantagraphics tem ganhado reputação internacional por sua literatura e audacioso padrão editorial e seus excitante valores de produção.

O trabalho de artistas como R. Crumb, Peter Bagge, Gilbert e Jaime Hernandez, Dan Clowes, Joe Sacco, Chris Ware, Jessica Abel e outros continuam a ganhar reconhecimento comercial e crítico pelos últimos vinte anos por combinarem a relevância do passado underground dos anos 60, com a atenção pessoal e veracidade psicológicas, acrescentando, experimentação e inovação
Os autores da Fantagraphics tem ganhado mais atenção favoravel da midia especializada que qualquer outro na média. As publicações recentes tem recebido significantes coberturas positivas na TIME, NEWSWEEK, Entertainment Weekly, Spin, the New York Times, the Los Angeles Times, the Washington Post, The Nation, entre outras. Fantagraphics ficou colocado entre as 5 mais influentes editoras na história dos quadrinhos em uma votação recente feita pela indústria de jornais; foi a unica editora independente na lista e a unica editora contemporânea nomeada juntamente com as monstruosas MARVEL e DC.”


Não ajudou em nada a apresentação deles? Pois é.

A algum (muito) tempo atrás eu traduzi (força de expressão) uma ou duas comics deles. Foi assim que eu conheci com a minha mania de caveirar, fuçar como um porco atrás de trufas, por comics. Conheci a fantástica e genial obra(s) de JASON.

show_image_in_imgtag.phpshow_image_in_imgtag.php3 show_image_in_imgtag.php2]

Entre outras.
Mas ele é o único memorável? Não, temos a fantástica e famosa Love and Rocktes dos irmãos Hernandez. que hoje é traduzida pelo gibiscuits.

LoveRockets17 01 trad
E ainda as fantásticas (como eu curto esta palavra, não é?) do JOE SACCO. Estas vocês conhecem e se não conhecem nem de nome, sintam-se envergonahdos, muito envergonhados.

show_image_in_imgtag.p22hp show_image_in_imgtag.ph2p

Palestina é uma retratação incrível da Palestina. Se passa em um período de dois meses no fim de 91 ao inicio de 92. Com flashbacks do inicio da Intifada, e da guerra do Golfo. Ela não é uma HQ politica de alguem que como nós sabe pouco ou mesmo muito sobre a região. Ela é de alguem que esteve lá. Com o intuito de retratar a destruição causada pela a ingonancia do homem.

Bom galera, agora termino.

Logo mais lançaremos novas comics, inclusive desta editora.

E lhes prometo vou procurar a PALESTINE do Sacco pra vocês. Mas se encontrarem em uma livraria ou comic store. COMPREM.

Fui…

Um comentário:

  1. Sempre e bom leituras alternativas.Parabéns.

    ResponderExcluir